Promessa de ajuda no combate a diabetes tipo 2 e diabetes tipo 1 e outras diabetes

[epico_capture_sc id=”470″]

Você tem Diabetes??? Fique atento a essa matéria.

Uma boa notícia está prestes a sair dos laboratórios do Google. E ela pode facilitar a vida dos mais de 350 milhões de pessoas que sofrem com o diabetes mundo afora. Trata-se de uma lente de contato. Ela tem um chip que faz a medição da glicose, analisando a composição das lágrimas. Ou seja, em vez das incômodas agulhas que furam os dedos para coletar sangue e medir a taxa de açúcar, uma lente de contato que faz o mesmo, continuamente, sem dor, sem incômodo.

“Na lente, temos um chip sem fios, que transmite as informações continuamente para um sensor. Nós esperamos que, algum dia, essa lente possa ser uma ferramenta para ajudar quem tem diabetes a monitorar melhor a doença”, diz o engenheiro responsável pelo projeto.

Conheça os tipos de diabetes?

Diabetes tipo 1

A diabetes tipo 1 é uma doença autoimune, geralmente diagnosticada na infância ou na adolescência, causada pela falta de insulina que leva ao acumulo de glicose no sangue. Ela causa sintomas como urina frequente, muita seca, boca e emagrecimento sem causa aparente, e o seu tratamento é feito com a toma de insulina todos os dias, alimentação própria para diabéticos, sem açúcar e com baixa quantidade de carboidratos presente em pães, bolos, biscoitos, arroz, batata, macarrão, algumas frutas, e inclui também a prática regular de exercícios físicos leves, sob orientação do educador físico.

Diabetes tipo 2

A diabetes tipos 2 é uma doença que pode ser causada por hábitos alimentares indevidos como consumo exagerado de açúcar, sedentarismo, obesidade e fator hereditário. Ela gera sintomas como dificuldade de cicatrização das feridas, muita fome, muita sede, urina frequente e visão turva, mas nem sempre o indivíduo percebe estes sintomas, diagnosticando a diabetes num exame de glicose de rotina. O tratamento da diabetes tipo 2 é semelhante ao da diabetes tipo 1, mas dependendo do estado de saúde do indivíduo, ele nem sempre necessita do uso diário da insulina. Por vezes o uso de hipoglicemiantes orais, uma alimentação adequada e os exercícios físicos podem levar a cura da diabetes tipo 2.

Diabetes insípidus

A diabetes insípidus pode ser classificado como diabetes insípidus central ou diabetes insípidus nefrogênico. Estas doenças possuem causas e consequentemente, tratamentos diferentes. Na diabetes insípidus central há uma alteração no sistema nervoso central que impede que o hormônio anti-diurético (ADH) seja liberado na corrente sanguínea, e no diabetes insípidus nefrogênico há uma alteração nos rins, que deixam de responder a presença do hormônio anti-diurético (ADH). Nestes 2 tipos de diabetes, o resultado é o mesmo: o excesso de água na urina e a sede intensa, que são os únicos sintomas da doença.

O tratamento para o diabetes insípidus central consiste no uso do hormônio anti-diurético (ADH) sintético, por inalação ou comprimidos. Já o tratamento do diabetes insipídus nefrogênico pode variar entre o uso de diuréticos, anti-inflamatórios, alimentação pobre em sal,suspensão do lítio e correção dos distúrbios de cálcio e de potássio no organismo.

Diabetes gestacional

A diabetes gestacional é aquela que surge durante a gravidez, sendo geralmente a diabetes tipo 2. Ela causa os mesmos sintomas da diabetes tipo 2, que nem sempre são percebidos, e pode ser diagnosticada num exame de glicose em jejum após as 22 semanas de gestação. Dependendo da taxa de açúcar no sangue o médico poderá indicar para o tratamento somente uma alimentação adequada e os exercícios para o controle da diabetes, que tende a desaparecer após o nascimento do bebê. No entanto, quando a glicose sanguínea encontra-se muito elevada, o médico poderá indicar o uso de hipoglicemiantes orais ou até mesmo da insulina.

O diagnostico da diabetes pode ser feito através da avaliação dos níveis de glicose no sangue, com jejum de 8 horas, em dois dias diferentes para poder comparar os resultados. O diabetes tipo 1 é diagnosticado em geral durante a infância enquanto o diabetes tipo 2 se desenvolve ao longo da vida adulta e está geralmente associada à obesidade, sedentarismo, dislipidemia e hipertensão arterial.

Uma vez que a diabetes não tem cura é importante que o indivíduo saiba que deverá seguir o tratamento proposto por toda a vida, dia após dia para evitar as danosas consequências do excesso de açúcar no sangue, como alterações da visão, do coração e possível amputação dos pés.

A lente do Google ainda é um protótipo e não tem data para chegar ao mercado, mas é mais um exemplo de como, nos próximos anos, a medicina vai ganhar aliados poderosos graças à tecnologia.

Referências:

http://olhardigital.uol.com.br/video/conheca-a-lente-de-contato-do-google-para-controlar-diabetes/40790

http://www.tuasaude.com/tipos-de-diabetes/